Perguntas Frequentes

1. Com que idade meu filho deve ter a primeira consulta com um especialista? 

A primeira consulta deve ser realizada a partir dos sete anos de idade.  Isto pode ser uma surpresa para muitos, pois o tratamento ortodôntico é mais frequentemente associado com o adolescente de faixa etária entre 11-14. Se o ortodontista diagnosticar um problema de desenvolvimento, seja ele dentário ou esquelético, nesta fase às vezes um simples tratamento precoce pode corrigir a situação e eliminar a necessidade de tratamentos mais complexos no futuro. Portanto, as crianças devem visitar um ortodontista para uma avaliação, não mais tarde que os sete anos de idade.

Embora muitos tratamentos ortodônticos não começam aos sete anos, uma avaliação nesta idade é benéfica para um desenvolvimento ideal e saudável da criança. Costumo dizer aos pais que eu gostaria de ver uma criança cedo e ter que dizer “vamos esperar”, do que uma avaliação tardia e desejar que se pudesse ter feito algo mais cedo. Este exame preventivo permite que o especialista determine como e quando os problemas devem ser tratados, no menor e melhor tempo possível.

2. Não é muito precoce iniciar um tratamento com aparelhos durante a infância?
O tratamento ortodôntico pode ter início em qualquer idade. Muitos problemas ortodônticos são mais fáceis de corrigir quando diagnosticados numa idade mais jovem, antes que o crescimento e consolidação das bases ósseas cessem. O tratamento precoce pode evitar o tratamento cirúrgico e outras complicações futuras.

3. O que é tratamento interceptativo?
Em pacientes infantis e durante o inicio da adolescência, o tratamento interceptativo ou ortopédico alcança resultados que são inatingíveis uma vez que os ossos da face cessem o seu crescimento. Este tipo de intervenção leva como vantagem o potencial de crescimento, a não consolidação dos ossos da face e também do próprio período de troca de dentes. Há maior facilidade em diminuir a gravidade de um problema esquelético e ou dentário nesta idade. Este tipo de intervenção também facilita a fase mais tardia, a fase com o aparelho fixo propriamente dito, pois uma vez que as bases ósseas foram corrigidas e estão bem posicionadas, a correção e o alinhamento dos dentes torna-se mais fácil.

4. Qual o tempo de duração do tratamento interceptativo?
O tempo de tratamento pode variar, dependendo da complexidade de cada caso. Nesta fase, o tratamento pode durar entre seis meses a 18 meses.

5. Meu filho tem o habito de chupar o dedo, o que pode acontecer?
Chupar o dedo é um habito comum durante a infância. Quando o habito é corrigido por completo antes dos cinco anos de idade, qualquer problema que o habito tenha ocasionado as dentes, eles se auto corrigirão. No entanto se o habito de chupar o dedo for mantido após esta idade, certamente haverá efeitos indesejáveis aos dentes anteriores. A posição que dedo ocupa na boca ao chupar, impede que ocorra a erupção natural dos dentes anteriores para as suas posições ideais. Numa mordida equilibrada, ao fechar a boca, todos os dentes superiores devem ter contato com todos os dentes inferiores, de forma equilibrada, distribuindo a carga mastigatória por igual. No entanto isto não ocorre nos casos onde o habito de chupar o dedo esta presente ou não foi corrigido durante a infância. Ao fechar a boca, apenas os dentes posteriores estão em contato, e os dentes da região anterior ainda continuam abertos. Cria-se um espaço nesta região. Este espaço é resultado da posição do dedo neste lugar. Esta característica é chamada de mordida aberta anterior.

6. Quais são alguns sinais que indicam que o tratamento ortodôntico seja necessário:

  • Desvio lateral da arcada superior em relação à inferior;
  • Hábito de chupar o dedo que continua mesmo após os seis ou sete anos de idade;
  • Dificuldade para mastigar;
  • Desgaste desigual ou excessivo dos dentes;
  • Espaços entre os dentes (dentes superiores muito à frente dos dentes superiores).
  • Dentes superiores e anteriores cobrem a maioria dos dentes inferiores;
  • Dentes superiores e anteriores estão atrás dos dentes inferiores;
  • Dentes anteriores não se tocam mesmo com a boca fechada;
  • Apinhamentos ou dentes sobrepostos a outros.

7. Quais são algumas vantagens do tratamento na idade infantil?

  • Capacidade de modificar o crescimento dos ossos da face é um dos maiores benefícios do tratamento infantil.
  • Corrigir a má oclusão, isto é, a mordida errada, durante esta fase, torna mais fácil o desenvolvimento do sistema orofacial, proporcionando resultados melhores e mais estáveis.
  • Menor chance de efeitos colaterais, pois as raízes dos dentes ainda menos desenvolvidas apresentam respostas biológicas mais favoráveis às forças aplicadas.
  • Pacientes em idade infantil apresentam boa cooperação e tendem a lidar bem com o uso de aparelhos dentários.
  • A auto-estima do paciente e satisfação dos pais são considerados benefícios do tratamento ortodôntico infantil. Há uma correlação direta entre a estética melhorada e o bem-estar psicossocial. A má oclusão é listada com uma das razões mais comuns entre provocações entre crianças. Além disso, pais, professores e colegas são mais propensos a responder positivamente a crianças com rostos e sorrisos equilibrados e harmônicos.

8. Quais são as consequências de não procurar o tratamento ortodôntico durante a infância?

O tratamento ortodôntico através de aparelhos ortopédicos e ortodônticos durante a fase de crescimento tem maiores resultados no que se diz respeito ao direcionamento do crescimento da maxila e da mandíbula, podendo melhorar não só a posição dos dentes, mas também as vias aéreas superiores e a fonação, entre outros resultados. Diversos estudos têm correlacionado o rendimento escolar e esportivo com a capacidade respiratória da criança.  Nessa fase de crescimento, problemas como arcadas atrésicas (fechadas e pequenas) e posicionamento da maxila e da mandíbula podem ser corrigidos ou minimizados. Esses movimentos e resultados tornam-se mais difíceis na fase adulta, devido à ausência de crescimento.

9. Quais são as consequências do meu filho não realizar um tratamento ortodôntico?

É difícil de enxergar o futuro e como o não uso do aparelho dentário ou a falta do tratamento ortodôntico pode afetar a dentição. Porém, a ausência do tratamento pode levar a um mau desenvolvimento das bases ósseas (arcada superior e inferior) e um mau posicionamento dos dentes, o que ocasionar um desgaste maior dos dentes com o tempo, dificuldade de mastigação, dificuldade na higienização devido ao apinhamento dentário, e maior prevalência para o desenvolvimento de cáries e de doença gengival e periodontal. Um mau posicionamento dos dentes também pode provocar danos à articulação temporo mandibular, causando dores de cabeça e dores articulares, além do fator psicossocial, como baixa auto-estima.

10. Qual a diferença entre o aparelho removível e o aparelho ortodôntico fixo?
O aparelho removível é mais indicado para o tratamento ortopédico. Estes aparelhos agem com o objetivo de inibir, estimular ou direcionar o posicionamento e ou o crescimento da maxila ou da mandíbula, portanto são mais indicados para crianças e adolescentes que ainda apresentam um potencial de crescimento.

Outros tipos de aparelhos removíveis são usados para corrigir pequenos problemas dentários. Estes aparelhos dentários não são indicados para a correção de apinhamentos maiores ou grandes problemas de oclusão, primeiramente devido ao fato de serem removíveis e não agirem de forma constante e sobre os dentes e também por serem limitados nos movimentos que podem realizar.

O aparelho ortodôntico fixo, como o próprio nome já diz, é colado aos dentes, um a um, permitindo maiores movimentos e controles dos dentes.

11. Os aparelhos machucam a bochecha, língua ou céu da boca?
Todo o início de qualquer tratamento exige um pouco de paciência e adaptação. As bochechas, a língua e o céu da boca podem estranhar inicialmente, porém esta é uma fase de adaptação, o paciente geralmente se adapta em poucas semanas.

12. As ativações do aparelho doem?
Isto dependera do tipo de aparelho utilizado. Geralmente os aparelhos removíveis não provocam dor. Os aparelhos ortopédicos fixos podem causar um pouco de desconforto nos primeiros dias. Depois, a dor tende a dissipar-se.