ortodontia em criancas 2Durante as últimas duas décadas, o interesse pelo tratamento com aparelho dentário em crianças, antes mesmo da adolescência, tem crescido. Esse interesse coincide com o aumento geral de consciência sobre a odontologia preventiva, fazendo com que os pais muitas vezes procurem tratamento para os seus filhos em uma idade infantil. Além disso, um número significativo de integrantes da comunidade odontológica, incluindo clínicos gerais e especialistas, tem demonstrado interesse não somente em corrigir problemas já instalados na dentadura decídua ou mista, como também em interceptar condições dento faciais anormais, assim que diagnosticadas. A American Association of Orthodontists (Associação Americana de Ortodontistas – AAO), recomenda que as crianças tenham sua primeira avaliação ortodôntica por volta dos 7 anos de idade. Iniciando um tratamento com aparelho dentário nesta idade, torna-se mais fácil diagnosticar e tratar potenciais problemas, antes deles se desenvolverem de forma mais séria.

» Veja as perguntas frequentes

 


A importância da aparência durante a infância

A aparência física tem um papel importante no contexto de intimidação e provocações relacionadas à aparência dentária. Bullying é um termo da língua inglesa que se refere a todas as atitudes agressivas, verbais ou físicas, intencionais e repetitivas, que ocorrem sem motivação evidente e são exercidas por um ou mais indivíduos, causando dor e angústia. Seu objetivo é intimidar ou agredir outra pessoa sem possibilidade ou capacidade de se defender, e é realizado dentro de uma relação desigual de forças ou poder. Esses tipos de comportamento podem ter efeitos devastadores e duradouros. A criança constantemente intimidada mostra um tipo psicológico definido, com habilidades sociais pouco desenvolvidas e uma natureza bastante submissa.


O tratamento ortodôntico nesta idade pode aumentar a autoconfiança

Felizmente, há evidências de um aumento acentuado na autoconfiança após o tratamento ortodôntico em crianças. Uma pesquisa realizada na década de 90 teve como objetivo analisar os motivos pelos quais pais de alunos do terceiro e quarto ano (8 – 9 anos) procuravam tratamento ortodôntico. Os pais preenchiam um formulário de questões sobre a aparência dentária e facial de seus filhos e quais eram as razões para a procura do tratamento ortodôntico. Quase todos os pais afirmaram profunda preocupação com a aparência do sorriso e da estética facial de seus filhos. Cerca de metade dos pais informaram que seus filhos haviam sido vítimas de bullying. Quatorze por cento dos pais relataram que as próprias crianças sentiam a necessidade de um tratamento ortodôntico.


Crescimento e o momento adequado de tratamento

ortodontia em criancas 1A fase da dentição mista é o período quando parte dos dentes presentes na boca são de leite e a outra parte é de dentes permanentes. Durante esta fase de erupção dentaria, as crianças apresentam um período de crescimento muito ativo, por isso uma nutrição inadequada ou a presença de hábitos podem contribuir para o desenvolvimento de um conjunto de dentes mais fracos e mal posicionados. Caso ocorra a perda de um dente de leite antes do seu tempo devido, os dentes vizinhos podem mover-se para dentro deste espaço, diminuindo o espaço necessário para o dente permanente ou até mesmo, impedir a sua erupção.


Outras necessidades que o tratamento nessa fase pode atender:

- Orientar o crescimento dos ossos maxilares, criando um ambiente melhor para os dentes permanentes emergentes;
- Guiar dentes permanentes para posições mais favoráveis;
- Corrigir hábitos nocivos de sucção e deglutição;
- Reduzir a probabilidade de dentes impactados, principalmente dentes caninos;
- Reduzir o risco de trauma de dentes anteriores protruídos (inclinados para frente);
- Melhora no padrão e na capacidade respiratória;
- Melhor função mastigatória;
- Um sorriso mais atraente e harmonioso;
- Aumento da auto-estima;
- Maior e melhor habilidade para higiene bucal;
- Melhor distribuição das forças de mastigação e das forças de desgaste sobre os dentes;
- Dentes, ossos e gengivas mais saudáveis.

Aparelho dentário e o aumento da auto estima
Temos percebido que pessoas com uma boa aparência estética dos dentes e um perfil estético agradável, também têm atitudes mais favoráveis ​​em relação à saúde bucal. Também temos percebido que as crianças que se submetem ao tratamento ortodôntico durante essa fase infantil mostram um melhor cuidado em relação à higiene dental, maior percepção de um sorriso agradável e, consequentemente, um aumento de auto-estima.

Embora os benefícios psicológicos a longo prazo do tratamento ortodôntico infantil sejam difíceis de mensurar, estes resultados relatados sugerem que o tratamento ortodôntico em crianças é fundamental para a melhora da saúde das crianças em geral, além de melhorar os comportamentos sociais, o desempenho acadêmico e o bem estar do indivíduo.


A avaliação ortodôntica em crianças

Durante a consulta inicial, é avaliado se há problemas que devem ser abordados, como um potencial apinhamento, mordida aberta devida ao hábito de chupar dedo, alguma deficiência no crescimento mandibular ou maxilar, entre outros. O momento para a intervenção ortodôntica determina muitas vezes a sua duração e é de importância crítica que o tratamento esteja de acordo com o tipo de má oclusão a ser tratada. Em alguns casos, o tratamento inicial pode ser adiado, e em outros não há necessidade de tratamento algum. No entanto, se o tratamento for necessário, um plano específico é elaborado de acordo com a idade do paciente. O plano de tratamento varia de acordo com cada caso, podendo ser usados aparelho fixo, aparelho móvel, aparelho ortopédico ou aparelho funcional, que vão atuar a fim de: criar espaço para dentes muito apinhados ou dentes que estão em erupção; preservar espaço durante a fase de erupção, estimular ou inibir o crescimento e posicionamento da maxila e da mandíbula; reduzir a possibilidade de futuras extrações, e reduzir o tempo de tratamento na adolescência, durante a fase corretiva.


Tratamento ortodôntico infantil

O tratamento ortodôntico é dividido em três fases. A primeira fase é chamada de tratamento preventivo e interceptativo. A segunda fase é chamada de tratamento corretivo e a terceira fase, de contenção. O tratamento interceptativo ou ortopédico em crianças tem como objetivo corrigir desequilíbrios dos ossos da face, posição dos dentes e músculos existentes ou que estão em desenvolvimento, melhorando o complexo orofacial durante a fase de dentição mista, isto é, onde estão presentes dentes decíduos (de leite) e dentes permanentes. O tratamento, durante a infância, apresenta grandes benefícios como reduzir consideravelmente o tempo de tratamento durante a segunda fase – fase corretiva, com o uso do aparelho fixo, e até mesmo diminuir as chances de extração ou de outros tratamentos mais invasivos que seriam necessários numa idade adulta.

O tratamento preventivo e interceptativo, conhecidos como tratamentos de primeira fase, devem ser feitos anteriormente ao tratamento corretivo, com o uso de aparelhos removíveis, funcionais ou ortopédicos.


Avaliação ortodôntica preventiva

A avaliação ortodôntica preventiva tem como objetivo manter a oclusão (mordida) dentro dos padrões de normalidade. A ortodontia preventiva acompanha, através de radiografias, a sequência do desenvolvimento dos dentes permanentes que ainda estão por irromper, verificando se há espaço adequado para todos os dentes. Também é importante verificar se os dentes de leite permanecem por mais tempo do que deveriam. Quando isso ocorre, os dentes permanentes não podem nascer nos seus devidos lugares, comprometendo os espaços e posições de outros dentes e provocando más oclusões. Este acompanhamento é feitos a partir dos sete anos de idade.


Tratamento ortodôntico interceptativo

O tratamento com interceptação é empregado quando uma situação anormal é diagnosticada. Um bom diagnóstico e um adequado tratamento devem ser empregados para eliminar ou reduzir potenciais irregularidades e más posições no complexo dento facial (dentes, ossos, músculos, vias aéreas) que estão em desenvolvimento. O tratamento interceptativo tem como objetivo tratar, através da ortopedia, a má oclusão precoce, movimentando as arcadas superior e inferior para frente, para trás e para os lados, direcionando os dentes permanentes para uma posição ideal. Este equilíbrio funcional promove estímulos necessários para desenvolvimento adequado da face e correção das anomalias de crescimento.

Ambos os tratamentos preventivos e interceptativos também têm como objetivo a remoção ou modificação na conduta de hábitos orais como: chupar dedo, interposição de língua e outros. Nesta fase de tratamento, também é avaliada a respiração do paciente. A respiração bucal ou nasal insuficiente dificulta o equilíbrio do peso, a correta postura corporal, a fonação, além do grande número de alterações patológicas que são encontradas diante do padrão equivocado de respiração.

Causas da respiração bucal insuficiente

- A não amamentação no peito
- Rinite alérgica
- Causas congênitas

Características do respirador bucal

- Ronco
- Má postura corporal
- Adenoidites e amigdalites
- Gengivites
- Bronquites
- Obesidade
- Magreza excessiva

Tempo de duração do tratamento

O tratamento interceptativo é realizado em aproximadamente um ano, seguido de observações intermitentes durante a transição da dentição mista para a dentição permanente. Durante este período de observação, o paciente poderá usar algum aparelho de contenção ou manutenção à noite para dormir. Uma segunda fase de tratamento (corretiva) pode ser instituída para alinhar e refinar a oclusão, após a erupção completa de todos os dentes permanentes, com exceção dos segundos e terceiros molares, com o uso de aparelhos fixos.