Aparelho Dentário na Adolescência

A estética da face e principalmente do sorriso tem se tornado cada vez mais importante durante a última década. Há um consenso geral de que os adolescentes são motivados a procurar o tratamento  ortodôntico com o uso do aparelho dentário por causa de impactos físicos, psicológicos e sociais devido a dentes desalinhados. É importante compreender o desenvolvimento psicológico dos jovens e como seu desenvolvimento social está relacionado com atratividade e a autoimagem. Portanto, é de grande relevância estabelecer um tratamento que dê ao paciente o melhor equilíbrio possível entre  um sorriso agradável e contornos harmônicos da face. Melhorar a aparência dos dentes, do sorriso e  do perfil do paciente adolescente, sem dúvida é a principal razão na busca pelo tratamento com  aparelho dentário. Uma má aparência do sorriso pode provocar um profundo efeito psicológico sobre estes pacientes. Como um componente importante da imagem do corpo, os dentes podem ser o foco de sentimentos que variam de constrangimento à ansiedade aguda.

» Veja perguntas frequentes


 

A adolescência: a melhor fase para o tratamento ortodôntico

A adolescência é um excelente momento para o tratamento ortodôntico, pois muitas associações negativas ao uso do aparelho fixo não estão presentes. Muito pelo contrário, a maioria dos adolescentes quer usar aparelho. Muitas crianças e adolescentes dessa faixa etária são facilmente convencidos pelos amigos, portanto se os amigos estão usando aparelho fixo, será mais fácil para ele (a) também aceitar e cooperar durante todo o tratamento. O período mais comum de iniciar o tratamento ortodôntico é entre 11 e 15 anos. A partir dos 12 anos, muitos dentes permanentes já erupcionaram e estão presentes na boca. Dentes mal alinhados, espaços, diastemas, e mal oclusões, isto é, o mal engrenamento dos dentes, são facilmente diagnosticados. Esses problemas dificilmente se corrigem por eles mesmos, portanto, é durante esta faixa etária que muitos pais buscam o tratamento ortodôntico.


A importância do surto de crescimento para o tratamento ortodôntico

Além dos benefícios de se inserirem no seu convívio social com os outros amigos, o paciente adolescente apresenta um excelente potencial de crescimento, um ótimo fator na correção dentária e esquelética e na obtenção de ótimos resultados, através de um tratamento mais rápido e eficiente.
Há uma grande variação individual, mas a puberdade e o estirão de crescimento na adolescência ocorrem em média quase dois anos antes em meninas do que em meninos. Este fenômeno de aceleramento no crescimento tem um impacto importante sobre o momento adequado do tratamento ortodôntico. Dessa forma, preconiza-se que o tratamento em meninas deve ter início mais cedo do que em meninos. Devido à variação individual, a idade cronológica muitas vezes não corresponde a idade biológica, portanto, exames complementares e um acompanhamento da maturação do paciente devem ser observados para determinar qual o momento ideal para o início do tratamento. Por outro lado, se o tratamento for adiado por muito tempo, a oportunidade de aproveitamento desta curva de crescimento, apesar de curta, porém muito eficiente, pode ser perdida.


Necessidades que podem ser atendidas pelo tratamento ortodôntico:

- Melhor função mastigatória;
- Um sorriso mais atraente e harmonioso;
- Aumento da autoestima;
- Maior e melhor habilidade para higiene bucal;
- Melhor distribuição das forças de mastigação e das forças de desgaste sobre os dentes;
- Dentes, ossos e gengivas mais saudáveis;
- Colocação de dentes permanentes para posições mais favoráveis;
- Redução da probabilidade de dentes impactados, principalmente dente caninos;
- Redução do risco de trauma de dentes anteriores protruídos (inclinados para frente).


Tratamentos ortodônticos na adolescência

O tratamento ortodôntico corretivo, ou tratamento de segunda fase, em adolescentes tem como objetivo corrigir problemas dentários e de posição da maxila e da mandíbula, melhorando o complexo orofacial e a estética facial durante a fase de dentição mista (quando os dentes decíduos e permanentes estão presentes) ou após a esfoliação de todos os decíduos e erupção de todos os permanentes.


A avaliação ortodôntica

O diagnóstico e a correta avaliação do paciente é uma das partes mais importantes do tratamento ortodôntico. Essa etapa leva em consideração o sorriso do paciente, a posição dos lábios, do queixo, a estética facial, a posição das bases ósseas (maxila e mandíbula), a análise funcional do fechamento dos dentes e das articulações, entre outros fatores. Ela é feita através de um exame completo com moldes e modelos das arcadas superior e inferior, radiografias, fotografias e uma análise completa da face e do sorriso do paciente. Após a avaliação destes exames, um plano de tratamento é elaborado de forma estratégica, abordando as necessidades de cada caso e determinando o melhor aparelho para o paciente, com movimentos controlados e precisos. Um tratamento ortodôntico mal diagnosticado, mal planejado e inadequado pode resultar em um tratamento demasiadamente longo e com resultados insatisfatórios e até mesmo irreversíveis.


Extrair dentes ou não extrair dentes?

Enquanto uma grande parte dos especialistas prefere não ter que extrair dentes, há algo que todo ortodontista prefere mais do que extrair dentes: um excelente resultado, um belo sorriso. Um belo sorriso deve contemplar: uma boa estética facial, isto é deve ser compatível à face, uma boa estética dentária, isto é, os dentes devem ter um bom alinhamento, nivelamento e angulação; Um belo sorriso deve apresentar uma boa saúde periodontal, isto é, o osso e a gengiva onde os dentes estão inseridos devem estar saudáveis. Um belo sorriso deve apresentar uma boa oclusão, isto é uma boa mordida, com dentes bem posicionados e bem equilibrados entre si. Um belo sorriso deve apresentar estabilidade ao final do tratamento e pelos anos seguintes anos, de nada adiante finalizar o tratamento e em alguns anos os dentes voltarem a sua posição original. Portanto todos estes pontos devem ser muito bem avaliados pelo especialista e compreendidos pelo próprio paciente, de modo que, para que os objetivos acima possam ser alcançados e ao final do tratamento tenhamos um belo sorriso, em alguns casos poderá ser necessária à extração de dentes.


Aparelhos utilizados

O aparelho indicado para esta fase de tratamento é o aparelho ortodôntico fixo. Os principais componentes do aparelho fixo são: bandas, braquetes e fio ortodôntico. As bandas são anéis metálicos que envolvem os dentes posteriores (molares) que servem de guia para o fio ortodôntico. A colagem dos braquetes aos dentes é feita através de um sistema adesivo, o que permite uma boa adesão do braquete ao dente e, ao mesmo tempo facilita a remoção no final do tratamento. Por último, é inserido o fio ortodôntico dentro da canaleta dos braquetes até a banda dos molares. A ortodontia funciona através de forças leves e constantes para movimentar os dentes de forma gradual. Quando o fio é passado por dentro do braquete, ele exerce uma leve força para voltar ao seu formato original. Com isso, uma leve pressão é feita ao dente, levando-o à posição desejada. Para cada estágio do tratamento, diferentes fios com diferentes formas e dobras são utilizados. Outros acessórios e dispositivos como propulsores mandibulares, mini-implantes, placa lábio ativa, barra transpalatina e acessórios externos podem ser montados e usados durante todo o tratamento.